Pesquisas - Eleições 2002 - 2º turno

Unidade da Federação: Ceará
número de eleitores: 4.805.259 (4,17% do Brasil)
população: 7.430.661
fontes: IBGE (Censo 2000) e TSE (eleição de 2000)

Pesquisa para o cargo de Governador de Estado

Governador do Ceará - eleição 2002 - Segundo turno
Intenção de voto estimulada (em % )
Instituto data da pesquisa Lúcio Alcantâra (PSDB) José Airton (PT) Branco, nulo ou nenhum Não sabe Sem cand.
Ibope (votos válidos) 25-26/out/02 53 47 - - -
Ibope (votos totais) 25-26/out/02 50 44 2 4 -
Ibope (votos válidos) 19-21/out/02 54 46 - - -
Ibope (votos totais) 19-21/out/02 50 43 2 5 -
Vox Populi (votos válidos) 17-18/out/02 52 48 - - -
Vox Populi (votos totais) 17-18/out/02 47 43 2 8 -
Ibope (votos válidos) 13-15/out/02 53 47 - - -
Ibope (votos totais) 13-15/out/02 47 42 2 9 -

Governador do Ceará - eleição 2002 - Segundo turno
Intenção de voto espontânea (em % ) - votos totais
Instituto data da pesquisa Lúcio Alcantâra (PSDB) José Airton (PT) Branco, nulo ou nenhum Não sabe Sem cand.
Ibope 19-21/out/02 44 36 2 17 -
Vox Populi 17-18/out/02 42 41 2 15 -
Ibope 13-15/out/02 37 35 3 24 -

Governador do Ceará - eleição 2002 - Segundo turno
Rejeição - estimulada (em % )
Instituto data da pesquisa Lúcio Alcântara (PSDB) José Airton (PT) Votaria em qualquer um ou não rejeita nenhum Rejeita todos, não vota em ninguém Não sabe Sem cand.
Ibope 19-21/out/02 27 29 n.d. n.d. n.d. n.d.
Vox Populi 17-18/out/02 23 22 43 n.d. 12 n.d.
Ibope 13-15/out/02 26 24 n.d. n.d. n.d. n.d.

Governador de CE - eleição 2002 - Segundo turno
Expectativa de vitória - estimulada (em % )
Instituto data da pesquisa Lúcio Alcântara (PSDB) José Airton (PT) Não sabe
Ibope 19-21/out/02 57 31 12
Ibope 13-15/out/02 59 30 11

Governador do Ceará - eleição 2002 - Segundo turno
migração de votos (em % )
escolha no segundo turno de eleitores que votaram em outros candidatos em 6.out.2002
  eleitores de Sérgio Machado (PMDB) Eleitores de Lúcio Alcântara (PSDB) Eleitores de José Airton (PT)
  agora votam em: agora votam em: agora votam em:
Instituto data da pesquisa Lúcio (PSDB) José Airton (PT) nulo indeciso Lúcio (PSDB) José Airton (PT) nulo indeciso Lúcio (PSDB) José Airton (PT) nulo indeciso
n.d. n.d. n.d. n.d. n.d. n.d. n.d. n.d. n.d. n.d. n.d. n.d. n.d. n.d.

Governador do Ceará - eleição 2002 - Segundo turno
Conhecimento do número do candidato (em % )
Eleitores que sabem que o número eleitoral (Lúcio=45 e José Airton=13)
Instituto data da pesquisa Conhecimento total Respostas incorretas Sem candidato Não sabe o número do candidato Conhecimento entre os eleitores de Lúcio (PSDB) Conhecimento entre os eleitores de José Airton (PT)
n.d. n.d. n.d. n.d. n.d. n.d. n.d. n.d.

Observações:

1) sem candidato - a resposta sem candidato inclui eleitores indecisos (que responderam não saber em quem vão votar), aqueles que dizem que não votarão em ninguém e os que votarão em branco ou nulo

2) margem de erro - a margem de erro varia de instituto para instituto, pois cada um adota sua própria metodologia. No caso do Datafolha, a margem de erro, em geral, tem sido de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. Nos outros institutos é comum a margem de erro ser de 3 ou até 4 pontos percentuais, para mais ou para menos.

3) indecisos, brancos e nulos - alguns institutos divulgam apenas um percentual conjunto para as respostas "não sabe", "em branco", "nulo" etc. Nesses casos, o percentual fica na coluna "sem candidato". Quando o instituto divulga separadamente esses percentuais, o resultado fica exposto na tabela na coluna correspondente a cada resposta.

4) pesquisas anteriores - há pesquisas realizadas para as eleições de 2002 que foram realizadas nos anos de 2000 e 2001. Esses levantamentos estão disponíveis nesta página, dentro dos links de cada instituto. A saber: Datafolha, Ibope e Vox Populi/Sensus. Clique no nome do instituto para ter acesso.

5) responsabilidade - os números aqui reproduzidos são de inteira responsabilidade dos institutos mencionados. Esta página apenas faz uma compilação de levantamento realizados. Esta página e o UOL não se responsabilizam pelas metodologias utilizadas pelos institutos. As pesquisas eleitorais públicas têm de ser registradas junto à Justiça Eleitoral. Maiores esclarecimentos podem ser obtidos nos TREs de cada Estado, no TSE ou nos próprios institutos de pesquisa.