Best Cars Web Site

Stilo, a esperança da Fiat

A marca ítalo-mineira começa a vender seu novo
médio, refinado em tecnologia e desempenho

por Roberto Nasser - Fotos: divulgação
Roberto Nasser

O Stilo, esperança da Fiat em manter e cristalizar os 25% de participação no mercado doméstico de automóveis e comerciais leves, começa a ser vendido no dia 14, através de grandes festas na rede de concessionários. Trata-se de um veículo do segmento B, concorrente direto do VW Golf, do Audi A3, do Ford Focus, do GM Astra. 

Surgirá em versão cinco-portas, sem desdobramentos para sedã três-volumes ou station-wagon, e terá três opções de motorização. Duas em quatro cilindros, 1.800 cm3 de cilindrada. Utilizando oito válvulas produz 103 cv. Na configuração de 16 válvulas a potência ascende a 122 cv. Derradeira, topo em rendimento, chama-se Abarth, que busca identificação com performance esportiva, marca desta casa italiana, é assinalada pelo motor 2,4, cinco cilindros, 20 válvulas e 167 cv. Automóvel refinado em tecnologia e generoso em performance. As pretensões são em vender entre 2.000 e 2.500 unidades mensais.

Tudo a ver

O Stilo apareceu no Salão de Frankfurt, há um ano. Tinha a pretensão mercadológica de ser o combatente do VW Golf, líder do segmento. Não conseguiu cumprir sua performance de vender 300 mil unidades no primeiro ano, ficando em pouco mais de 200 mil.

No Brasil a situação é diferente. A nuvem negra que paira sobre a Fiat na Europa, com queda de vendas, participações, prejuízos, é um inibidor comercial. Aqui a situação é diversa, com luminoso sol, que ilumina a Fiat em caminho ascencional, e com liderança que se pensava episódica, mas que foi mantida neste ano. A aura de liderança provoca simpatias. Não se compra marca perdedora.

O automóvel chega bem centrado no mercado. Porta um pacote de eletrônica que permite equipamentos de segurança e de conforto. Vai do monitoramento eletrônico dos freios, controle de tração para as arrancadas, corretor de derrapagens. As possibilidades permitem adições como sensor de chuva que aciona os limpadores; de iluminação, que liga faróis em túneis ou à noite; alarme para marcha à ré indicando proximidade de objetos; banco do motorista com três memórias, que permitem a personalização em conjunto com os espelhos retrovisores externos. A adição de equipamentos e confortos varia de acordo com o nível das versões, embora computador de bordo, sistema de travamento de portas e vidros, e apoio de cabeça para todos os passageiros existam em todas as versões.

Ação global

Pelo volume de ações assumidas em torno do Stilo, a impressão é que a Fiat pretende muito mais que as 2 mil e poucas unidades mensais. Além das características de desenho, estilo, habitabilidade, condução agradável, conforto, equipamentos e segurança, a empresa abriu amplo leque de atenções.

Começa por ações promocionais e divulgação nos aviões da TAM; passa pela promoção de test-drives com sorteios; entra na parte prática do seguro com preços menores em função da boa reparabilidade; envolve pelo leque de serviços pelo sistema Confiat, que além dos socorros chega à reserva de locais em espetáculos; arremata com financiamento em até 60 meses -- inexistente em outras marcas -- com taxas especiais. E empregará um slogan óbvio, porém muito adequado ao produto: Stilo. Ou você tem, ou você não tem.

A listagem de concorrentes traçada pela direção comercial parece mais ampla, especialmente num país de baixa renda. O Stilo será concorrente com chumbo grosso, com certeza atingindo outros produtos. Começa com o Brava, agora transformado em produto de única versão. Mas tomará clientes do Marea, do Honda Civic, do Toyota Corolla.

A Fiat não parece estar tratando apenas de um produto a mais. Elegeu-o retrato da companhia, tanto para o mercado interno, quanto para o de exportações. Com o Stilo pretende fazer presença no México -- de onde está ausente há décadas -- e em toda a América Latina. Com foco sobre o Golf, pratica preços menores e oferece equipamentos que no concorrente são inexistentes ou opcionais. Continua

Colunas - Página principal - e-mail

Data de publicação deste artigo: 10/9/02