Best Cars Web Site

Governo reduz IPI
e esgoela os 1,0-litro

Novas alíquotas do imposto aproximam carros 1.000
dos superiores e incentivam motor bicombustível

por Roberto Nasser - Fotos: divulgação
Roberto Nasser

O Governo Federal reduziu o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) vigente sobre os automóveis de 1,0 a 2,0 litros de cilindrada (saiba mais). A decisão, instada pelo período eleitoral, pelos estoques acumulados nos pátios das fábricas e concessionárias e pela lógica incontestável, tem desdobramento superior e mais importante: ele acaba com o reinado dos carros 1.000, devendo modificar seu perfil.

Com a redução do IPI e conseqüentemente do preço final, formado por impostos que a ele se sobrepõem, um automóvel como o Fiat Palio com motor Fire 1,25 deverá ser colado no mesmo carro com motor 1,0. O mesmo vale para o novo Polo 1,0-litro, atropelado pelo 1.6. Raciocínio normal é que as versões dos 1,0 deixem de ser elaboradas e enfeitadas, passando este pacote de confortos e aparências aos de cilindrada maior, resumindo-se a um mínimo sem a afetação atual.

A novidade melhor está na inclusão na tabela dos veículos movidos por álcool ou dotados de tecnologia Flex Fuel, que sinalizam o futuro como bicombustíveis, capazes de consumir álcool e gasolina, puros ou mesclados em qualquer proporção. Viabilizará tecnologia já existente na Fiat, na GM, na Ford e na VW, assim como na Bosch e na Magnetti Marelli, e que não era empregada por falta de demanda. Viabilizará também o álcool combustível, pois dispensará outros incentivos para o crescimento de sua demanda. Se houver, o motorista o utilizará. Caso negativo, a gasolina mesclada.

O não-popular Polo 1,0

Houvesse um adesivo ou emblema com a palavra Impopular, ou Não-popular, a Volkswagen o aplicaria em seu Polo com motor 1,0-litro. A marca dispensa comparativos com concorrentes desta faixa, classificando-o como "1.0 Premium", superior. Com razão.

O projeto não passava pelo emprego do motor de 1,0 litro. Afinal, o Polo surgiu adequado ao Brasil trazendo longa relação de ganhos e acertos tecnológicos, típicos de veículos de degrau superior. Demais disto, é 50 kg mais pesado que o Gol, o que puniria sua disposição caso se lhe aplicassem um motorzinho mil. Na pré-apresentação do produto a cinco jornalistas -- eu era um deles -- o doktor Demel, presidente da empresa, negou a possibilidade.

Mas a voz surda dos consumidores pouco esclarecidos fez-se ouvir, e os representantes de vendas e gerentes regionais receberam cobranças dos concessionários de todo o país, transmitindo-as à marca, que capitulou ao segmento que é uma espécie de terminal de pesquisa a campo.

Para não transformá-lo num ser rodante equipado, porém lento, a engenharia da empresa usou implementos mecânicos e pequenos acertos, e deu-lhe mais 3 cv de potência, somando 79 cv, como o 1,0 de aspiração natural mais potente do mercado. Para driblar o peso, a empresa encurtou o câmbio, reduzindo as marchas. Continua

Colunas - Página principal - e-mail

Data de publicação deste artigo: 13/8/02