Best Cars Web Site

Tradição para vender o Alfa 147

Para mostrar herança, tradição, a Fiat utilizará veículos históricos para fazer fundo ao lançamento do Alfa 147. Aproveitará o "Araxá Top Classics", evento que o Veteran Car Club de Minas realizará no feriado de Corpus Christi, nesta estação termal em Minas Gerais, reunindo os melhores e mais destacados automóveis antigos do Brasil, no segundo evento invitacional do país -- o primeiro foi o "Carro do Brasil", em Brasília. O galicismo explica que só estarão presentes veículos convidados, e que o critério será o de qualidade.

Araxá, que ficou assinalada como primeiro ponto de reunião nacional de veículos antigos, volta a sediar reunião antigomobilista, viabilizada pela reforma completa e reinauguração do portentoso Grande Hotel.

O Alfa 147 será o modelo de entrada da marca no país, substituindo o 145, bem vendido no país e que deixou a produção. Mecânica assemelhada e títulos mundiais de "Carro do Ano" pretendem ser ferramentas de venda, embora a mais poderosa delas seja o preço final.

Roda-a-roda
Corte - A proposta de dispensa dos veículos leves em portar extintores de incêndio, que a Associação de Engenheiros Automotivos, AEA, levou ao Denatran, foi detida. O Governo não quer conversar sobre o tema neste ano. A idéia é de óbvio realismo, considerando-se o baixíssimo número de veículos que necessita sua utilização. Mas suprime, nada menos, que a venda compulsória de milhão e meio de unidades ao ano. Em ano eleitoral no terceiro mundo, a lógica e o bom senso são os últimos ingredientes considerados em qualquer decisão. Zé da Silva, diante do quadro político, resumirá: "Serraram a proposta."

Bom-senso - Em meio à piração do uso de motores de 1.000 cm3 de cilindrada para combinações inadequadas, como carros pesados, que algumas das marcas insuflam, a Volkswagen conteve-se a tempo. Desenvolveu a adaptação do motor 1,0 no Polo Classic, chegou a fazer 300 unidades, mas brecou e cancelou o projeto, absorvendo os carros para uso de frota. Chegou à conclusão que venderia alguma coisa, mas comprometeria a imagem de boa engenharia que busca difundir.

Dúvida - É difícil a indústria automobilística passar imagem de desenvolvimento construtivo, enquanto não tiver projeto comum ou falar linguagem unificada. O fato de existir carros com motor 1.000 que custam o preço de um 2.000, graças à adição de alguns equipamentos, mostra que o modelo do governo, ao criar degrau tão alto entre os 10% do IPI para os até 1,0 litro e 25% deste imposto para os acima desta cilindrada, está falido.
Mas a indústria não mostrou o caminho,
as fábricas falam por si, e o governo, sempre passivo, não dispõe de uma política ou de um planejamento para futuro num segmento tão importante para os usuários e o recolhimento de impostos.

Expansão - Com a inauguração de sua fábrica na China, a fábrica da Fiat em Betim, MG, alavancará exportações de componentes e de autopeças. O carro lá produzido será o Palio, do qual o Brasil é base de produção e difusão mundial.

De fora
- A DaimlerChrysler repele teoria levantada por fonte da Kia, e aqui veiculada, de que produziria em Juiz de Fora, MG, versão de seu novo produto, ainda não anunciado, com emblema desta marca coreana. "Nada a ver", resume André Senador, diretor de comunicação social. 

Prémière - A Fiat fez reunião com a rede de concessionárias em Florianópolis. Balanço geral de parte a parte e com duas novidades: a apresentação do novo superintendente Alberto Ghiglieno, ex-diretor de compras da empresa formada pela GM e pela Fiat, transformado em vendedor, e como efeito-demonstração, o novo Stilo, que na Europa substituiu o Brava, mas que no Brasil conviverá com ele. E a promessa de antecipar o lançamento para agosto. A Fiat vai se mexer neste ano para enfrentar a concorrência dos novos Corsa, Polo e Fiesta, na difícil missão de manter a liderança do mercado.

Prévia - A Honda confirma o cronograma do lançamento do Fit, seu carro pequeno, para abril de 2003. Mas em outubro o automóvel estará no Salão do Automóvel.

Colunas - Página principal - e-mail