Clique para ampliar a imagem

Fotos: RM Auctions
Clique para ampliar a imagem

Parceria de sucesso: as criações
da Ghia para a Chrysler nos anos 50

A década de 1950 foi mesmo a era de ouro para os "carros de sonho", como então eram conhecidos os carros-conceito de hoje. Numerosos estudos foram apresentados no período pelos maiores fabricantes dos Estados Unidos, como os projetos do estúdio italiano Ghia feitos para a Chrysler.

Foi ainda em 1949 que C. B. Thomas, presidente da divisão de exportações da Chrysler, encomendou a Pinin Farina e Ghia carrocerias especiais para um sedã da marca Plymouth do grupo. Dois belos desenhos resultaram dali, mas a proposta da Ghia sobressaiu, o que levou a Chrysler a contratá-la para desenvolver carros-conceito.

O primeiro foi o K-310, apresentado em novembro de 1951. A letra K homenageava K. T. Keller, presidente da Chrysler, que havia dado o aval para sua criação, enquanto 310 era a potência do motor. O cupê de cinco lugares tinha linhas arredondadas, tipicamente europeias, e um desenho frontal que lembrava os para-lamas destacados da carroceria comuns alguns anos antes. O vidro traseiro era bastante envolvente, em três partes, e a tampa do porta-malas sugeria a forma de um estepe que na verdade não estava ali. Não havia lanternas na extremidade traseira, pois elas vinham salientes sobre os para-lamas.

O K-310 usava o chassi do Chrysler Saratoga, com entre-eixos de 3,19 metros, e motor Hemi V8 de 331 pol³ (5,45 litros) preparado para obter 310 cv. Muitas das soluções de estilo do cupê foram estendidas ao C-200, revelado em abril de 1952, mas agora se tratava de um conversível para seis pessoas.

No mesmo ano aparecia o cupê Chrysler SS (Styling Special). A combinação de capô longo e cabine recuada dava-lhe as proporções de um grã-turismo europeu, enquanto a ampla grade destacava o V8 ali atrás e os para-lamas ficavam em evidência. Dessa vez o doador do chassi, com entre-eixos de 3,02 m, era o New Yorker.

Thomas gostou tanto do estilo que pediu para seu uso um exemplar, que foi chamado de Thomas Special. Uma das alterações foi a inclusão de um porta-malas com tampa: no SS, a bagagem tinha de ser colocada por dentro da cabine. O comprimento foi aumentado em 25 cm. Não só o executivo aprovou a criação da Ghia, como também a Société France Motors, representante da Chrysler em Paris, que encomendou 400 carros com tal desenho ao estúdio entre 1953 e 1954. Vendidos como GS-1 (Ghia Special), eles tinham motor V8 331 e câmbio automático.

E então veio o D'Elegance, ponto alto dessa parceria entre italianos e norte-americanos. Com elementos de desenho herdados dos antecessores, o cupê de quatro lugares revelado em outubro de 1952 mostrava linhas suaves e harmoniosas, que destacavam os para-lamas traseiros e reduziam a área envidraçada para um ar mais esportivo. O estepe na tampa estava de volta.

A grade dianteira serviu de inspiração para a do Chrysler 300 do fim da década, enquanto as lanternas traseiras foram aproveitadas no Imperial já em 1955. O motor V8 Hemi de 354 pol³ (5,8 litros) desenvolvia 280 cv, enviados à caixa automática Torqueflite, e o entre-eixos do chassi do New Yorker foi reduzido para 2,92 metros. O carro das fotos, leiloado no ano passado pela empresa RM Auctions, apurou US$ 946 mil.

E se as formas do D'Elegance lhe parecem conhecidas, é fácil saber por quê. Giovanni Savonuzzi, autor do desenho, usou-o como base para criar um carro esporte bem mais compacto, mas não menos elegante, que chegaria ao Brasil na década seguinte: o Volkswagen Karmann-Ghia.

O Chrysler D'Elegance, nas fotos acima, é o ponto alto de uma parceria entre a marca norte-americana e o estúdio italiano Ghia nos anos 50

Clique para ampliar a imagem

Clique para ampliar a imagem

O K-310 deu início à cooperação; note o vidro traseiro envolvente e o falso estepe na traseira; o nome homenageia Keller e indica a potência

Clique para ampliar a imagem

Clique para ampliar a imagem

O conversível C-200 (em tom claro, em cima, junto do D'Elegance) era derivado do K-310; o modelo fechado SS (embaixo) vinha no mesmo ano

 

Texto: Fabrício Samahá - Fotos: divulgação

Clique para ampliar a imagem Clique para ampliar a imagem Clique para ampliar a imagem

A partir do SS, C. B. Thomas pediu que fosse feito o Thomas Special, com 25 cm a mais de comprimento e diferenças como porta-malas com tampa

Clique para ampliar a imagem

Fotos: RM Auctions
Clique para ampliar a imagem

O perfil do D'Elegance deixa claro que o projeto foi base para o VW Karmann-Ghia; no interior, banco inteiriço e painel com diversos instrumentos

blog comments powered by Disqus

Supercarros - Página principal - Escreva-nos - Envie por e-mail

Data de publicação: 31/3/12

© Copyright - Best Cars Web Site - Todos os direitos reservados