Alces noturnos

Os novos motoristas são mal formados por um sistema ineficaz
e corrupto? Solução fácil: aulas de direção com faróis acesos

por Roberto Agresti

É desconfortável ver um filho, pouco interessado nas artes do volante, ingressar numa autoescola — ou Centro de Formação de Condutores, o nome pomposo que lhes deram. É como se uma vaca pudesse ver seu boizinho, gordinho, na fila do frigorífico. Neste preâmbulo o uso do "pouco interessado" não é gratuito: serve para direcionar a ideia (ou ao menos gostaria que assim fosse...) a alguém que não quer saber de carros, mas vai ter que se render a pressão da sociedade mundial que brada: "Como assim, não quer guiar? Vai, sim, todo mundo guia!"

Casa de ferreiro, espeto de pau, é um provérbio adequado a minha casa, pois, mesmo exposta a todo tipo de carro e moto desde a mais tenra idade, minha caríssima filha Nina, em seus 20 anos, boceja e faz ar blasé quando questionada: e aí, você não vai tirar carta?

Querer ela não quer. Quero dizer, agora parece que quer, mas não muito. Já se passaram dois anos do "turning point", os tão esperados 18 anos de idade que franqueiam volantes de todo tipo aos brasileiros e brasileiras, e ela talvez tenha percebido que seu tempo de enrolação já deu o que tinha que dar e disse ok, agora eu vou. Já eu contei os segundos que faltaram para a chegada de meus 18 alforriantes anos desde quando entrei num carro e saí dirigindo, às escondidas, com 12 ou 13. Sabia tudo sobre como surrupiar chaves enquanto meus pais dormiam em modorrentos fins de semana e, em cinco ou dez minutos de acelerador no fundo, descontava a sede de volante.

Eu era um perigo. Aliás, "era"?

Nina nunca foi assim, nunca se interessou pelo lado prático da condução de veículos. Em geral mulheres são menos ansiosas para ter carro ou ao menos ganhar certo acesso a eles. Contudo, Nina é ZERO como as Cocas de hoje em dia. Percebo, até para me garantir certa tranquilidade, que ela não é algo de raro atualmente. Fator geracional? Talvez. Um fato: o carro, hoje, exerce um fascínio diferente sobre a juventude do que exercia no passado ou, corrigindo, não vejo tantos maníacos como eu e meus amigos atualmente. Para nós o tema principal, único e exclusivo de 200% dos assuntos eram motores.

Mas, deformações específicas de uma tribo à parte, volto ao começo, às autoescolas.

Moro num bairro calmo, ruas tranquilas cercadas por grandes avenidas. Basta olhar pela janela da frente de casa, durante uma manhã qualquer, e contar uma dezena de carros de autoescola circulando em seu típico passinho de procissão, com o instrutor invariavelmente largadão no banco ao lado, cara de sono e/ou de pouca paciência, tendo a coté alguém que segura o volante como eu seguraria os chifres de um bode, ou seja, sem saber bem o que fazer com ele. Uma centena de metros adiante de casa, uma praça se presta ao exercício "X" da academia verde-amarela do volante, a baliza. Dois discos de embreagem foram cimentados ao asfalto e neles os instrutores espetam cabos de vassoura que guardam estrategicamente no matinho ao lado. E dá-lhe baliza!

Sabemos todos que a autoescola aqui no Brasil não ensina a dirigir um automóvel, mas sim, e quando muito, a cumprir o rito do exame prático que determina quem está apto ou não a conquistar sua CNH. Rito viciado, por sinal, onde os critérios são nebulosos e no qual a específica habilidade de cada concorrente é menos importante do que sua capacidade de realizar o que o examinador exige. E o que ele exige? Infelizmente, e na maioria das vezes, propina.

Ok, processem-me!

Não tenho provas do que digo. Tenho "apenas" 50 anos e desde que me interesso pelo assunto, há quase 40, que ouço dizer que para passar é só pagar. E isso não é prova. É "ouvi dizer".

Eu mesmo não passei na primeira vez, "culpado" — segundo o examinador — de ter saído na ladeira sem usar o freio de mão, fazendo um "punta-tacco" e arremessando o Fusca à frente sem nem um milímetro de recuo. E assim, não pode. Tem que usar o freio de mão, não habilidade... Fui besta e exibidinho, confesso, e paguei o preço. Não do suborno, mas da remarcação do exame e da espera por nova data onde, como um coió de argola, conduzi o Fusca como se fosse um anacéfalo. Mas cumprindo o rito.

Oportunidade perdida
E falando em anacéfalo, um desses que se elegem, votados por pares também desprovidos de material cinzento do bom, teve a grande ideia de tornar obrigatórias aulas de autoescola noturnas. Tal representante do povo, que doravante chamaremos simplesmente de "Alce", raciocinou que será muito útil à formação dos novos motoristas algumas aulas ao volante com os faróis ligados já que, "segundo estatísticas", a maior parte dos acidentes ocorre com motoristas de 18 a 29 anos de idade à noite ou de madrugada.

"Alce" deverá cedo ou tarde ser mais um a povoar o inferno, partindo da premissa de que tal local está cheio de almas penadas bem intencionadas. Mas sofrerá por lá, um pouco por ser isso que se prevê para um mau "Alce", mas muitíssimo mais por conta do pensamento obtuso e simplista, o que lhe garantirá pouca simpatia e privilégios do demônio, que gosta — sabemos! — de almas e alces mais espertos, claro.

Ao instalar mais esse penduricalho inútil parido pela mente de "Alce", o Denatran perde mais uma chance de colocar alguma ordem no barraco feio e mal ajambrado que é o sistema de formação de motoristas brasileiro. A garotada — contemporâneos e contemporâneas de Nina — se mata nas ruas e estradas à noite mais do que de dia? Claro. Ocorre a alguém pensar que quem está na rua à noite está indo a ou voltando da balada, e que nesse caso não é a falta de treinamento em direção noturna que salvaria a pátria e algumas vidas, mas sim uma severidade bem aplicada da tão festejada (e já enterrada) lei seca, onde aquela sanha de bafômetros que faria a alegria de taxistas (e pais...) madrugadas adentro não passou de um oba-oba midiático sem continuidade?

Abordemos outro ângulo: o que é mais importante para um motorista novato, estar habituado a conduzir sob luz artificial, seja da rua ou dos faróis, ou saber frear? Alguém sabe de algum instrutor que ensine como frear de maneira emergencial, tipo desviando daquele cabo de vassoura espetado no disco de embreagem, só que com um bonezinho (ou um parzinho de chifres) em cima, imitando um pedestre sonso (ou um alce)?

As autoescolas possivelmente estão felizes com a nova exigência de aulas noturnas, pois acrescentarão algumas horas pagas regiamente ao carnê de seus vencimentos. Salvo uma ou outra manifestação, proveniente de instrutores insatisfeitos por ver sua carga horária rotineira migrar para o horário da novela, não soube de nenhuma autoescola que se posicionasse contra a novidade. E se acaso a novidade fosse "teste de frenagem de emergência a 60 km/h com desvio de trajetória", uma versão bem mais fácil do notório teste do alce (olá, você por aqui!)? Para quem não conhece o teste, feito em países nórdicos com os últimos lançamentos do mercado, veículos — e não condutores — são avaliados executando uma manobra específica onde se simula ou desvio de um animal de grande porte (o alce...) e, assim, se qualifica (ou não...) a maneabilidade e estabilidade de um carro.

Imaginem a gritaria dos donos de autoescola! Onde realizar o teste? Quem pagará o desgaste de pneus e do carro? E o risco para o instrutor, quem assume? Seria longa a lista de reclamações.

Como se vê, eu sofro por Nina e pares, gente que terá que aturar, como eu e você, um "esquemão" para "jogar o jogo" e ter a tal CNH. E sem nenhum tipo de instrução que faça deles motoristas mais habilidosos e capazes de controlar um veículo numa situação de emergência.

A sorte é que, eventualmente, inábeis que são, poderão passar em cima do Alce...

A garotada se mata nas ruas e estradas à noite mais do que de dia? Claro. Ocorre a alguém pensar que quem está na rua à noite está indo a ou voltando da balada?

Colunas - Página principal - Envie por e-mail

Data de publicação: 12/6/10

© Copyright - Best Cars Web Site - Todos os direitos reservados