Amigos que se vão

O maior problema de envelhecer não é ficar velho, mas
perder amigos, como o jornalista Eduardo Martins

por Bob Sharp

Abri o jornal cedo, como sempre faço, e me deparei com uma notícia muito triste nesta segunda-feira: a morte de Eduardo Martins. Para quem não sabe, o Eduardo é o autor do Manual de Redação e Estilo de O Estado de S. Paulo, obra que para o jornalista e para quem escreve é uma ferramenta de uso diário. Ele tinha 68 anos e morreu de complicações seguidas a um tumor na bexiga.

Conhecíamos-nos, mas virtualmente apenas. Um sabia quem era o outro e inúmeras vezes escrevi-lhe por correio eletrônico para tirar dúvidas. Não preciso dizer que as respostas eram imediatas. O Eduardo era também o "juiz" das acaloradas, porém saudáveis, discussões sobre a língua portuguesa entre meu amigo e jornalista Fernando Calmon e eu.

Ter amigos é uma das dádivas na vida e por isso causa tanta dor e aflição. No último dia 7 fez 40 anos que Jim Clark nos deixou, num acidente sem muita explicação numa prova de Fórmula 2 em Hockenheim. Não cheguei a conhecê-lo, mas senti sua morte como se fosse um grande e próximo amigo. Aliás, o meio automobilístico sentiu o mesmo. Numa escala menor do que a sensação de perda de Ayrton Senna, que viveu numa época em que a televisão o colocava quase que diariamente em nossas salas, mas o fato é que a morte de Jim Clark — um bravo piloto escocês, bicampeão mundial em 1963 e 1965 — deixou muitos brasileiros de luto. E, como escrevi recentemente, outro amigo que foi embora e deixou um grande vazio foi Paul Frère.

A vida do Eduardo Martins é das mais notáveis. Transcrevo-a, na íntegra, conforme publicada no Estadão naquela segunda-feira (14/4), em matéria de José Maria Mairink:

Morre o jornalista Eduardo Martins

O autor do ‘Manual de Redação e Estilo’ do Estado dizia com orgulho que o jornal fora seu único emprego

José Maria Mayrink
Foto: Agliberto Lima/Agência Estado

Era só jornalista e foi um jornalista reclamão até o fim. Internado desde o dia 9 no Hospital São Camilo, onde morreu aos 30 minutos de ontem, vítima de insuficiência respiratória e de um tumor na bexiga, entrou na UTI inconformado com o tamanho do televisor do quarto e falando das colunas que teria de escrever quando tivesse alta.

'O Palmeiras tem de ganhar, mandem buscar minha televisão em casa', comentou para a mulher, Maria Thereza, sua companheira de quase meio século — 44 anos de casamento, depois de 3 anos e 7 meses de namoro e noivado. Antes de ser entubado, às 21 horas de sábado, conferiu o último texto publicado pela manhã no Estadinho, suplemento infantil do Estado. 'Use Olimpíada, sem problemas', ensinava na coluna De Palavra em Palavra.

Natural de Cáceres (MT), Eduardo Martins nasceu em 26 de julho de 1939. Aos 17 anos de idade, começou a trabalhar na Redação do Estado, primeiro fazendo palavras cruzadas como colaborador e, a partir de 1960, sucessivamente como redator, repórter e editor. Aos 68 anos, costumava dizer, com muito orgulho, que esse foi o único emprego de sua vida, uma paixão profissional.

Trabalhou num período difícil para a imprensa, 'tempos heróicos', como gostava de definir. Lembrava principalmente o período de 1974 a 1982, quando foi editor de Nacional, a seção mais visada pelo regime militar. O Estado publicava versos de Os Lusíadas, de Luís de Camões, para preencher o vazio deixado pelas reportagens censuradas.

Eduardo Martins foi também editor de Economia, de Interior e de Arte (atualmente Caderno 2), antes de passar a assistente do editor-chefe e, mais tarde, a chefe do Departamento de Documentação e Informação (Arquivo), cargo que ocupava ao se aposentar em junho de 2006.

Deixou o jornal, mas não parou. Além de escrever para o Estadinho, fazia palavras cruzadas para a Agência Estado e artigos para revistas e editoras. Ex-colaborador da Rádio Eldorado, atividade pela qual recebeu o prêmio de melhor programa de cultura em 2001, também dava freqüentes entrevistas para emissoras de rádio e televisão.

Era um especialista em Língua Portuguesa. Autor do Manual de Redação e Estilo, que o Estado lançou em 1990 com grande repercussão, escreveu o livro Com Todas as Letras: o Português Simplificado e uma série de seis Resumões da Língua Portuguesa.

Para o diretor do Master em Jornalismo e professor de Ética, Carlos Alberto Di Franco, o jornalista foi um grande profissional. 'O Manual de Redação que ele deixou é, na minha opinião, o melhor do Brasil', afirma. 'Presta uma ajuda eficaz sem se tornar uma camisa-de-força.'

Eduardo Martins deixa inédita a obra Os 300 Erros Mais Comuns da Língua Portuguesa, que seria lançada nos próximos meses. Apaixonado pela Gramática, Eduardo Martins era um jornalista capaz de falar durante horas sobre redação, estilo, hífens e acentuação. (...)"

Colaborou Alexandre Gonçalves

Um grande amigo, um grande brasileiro se foi. Seus ensinamentos sobre a Língua Portuguesa serão perpetuados por muitos, inclusive por mim neste Best Cars e onde quer que eu escreva. Ele era lembrado todo dia quando eu escrevia alguma coisa e o será para sempre.

À sua esposa Maria Thereza e familiares, expresso minhas condolências e rendo as maiores homenagens.

Que o Eduardo, esteja onde estiver, continue a nos iluminar e nos inspirar com seus conselhos.

Colunas - Página principal - Escreva-nos - Envie por e-mail

Foto: Arnaldo Keller - Data de publicação: 19/4/08

© Copyright - Best Cars Web Site - Todos os direitos reservados