Mais um ano

Passou rápido, 2007, e coisas importantes aconteceram

por Bob Sharp

Mais um ano de contato semanal com o leitor se vai. Isso foi feito exatas 52 vezes desde 5 de janeiro, incluindo esta coluna. Para ser franco, isso vicia. Não posso falar senão por mim mesmo, mas tenho sensação de que esse vício é recíproco para muitos leitores, para minha satisfação. Satisfação de poder passar um pouco da minha longa vivência sentado no banco do motorista e, com isso, ajudar muitos nessa técnica misturada com arte que é conduzir um veículo automotor.

Há muito aprendi um ditado, desses que ajudam a nortear a vida: "Ninguém é tão burro que não possa ensinar, ninguém é tão sábio que não possa aprender." Ou seja, aprender é algo que fazemos até o dia do suspiro final. O aprendizado não pára nunca.

Antes de passar ao que gostaria dizer hoje, só para lembrar duas coisas importantes que aconteceram. A mais importante, em minha opinião, deu-se em dezembro, há poucos dias, em que foi marcado para dia 31 o fim de um dos impostos mais idiotas e perversos que se conhece, travestido de "contribuição" — a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira, a CPMF. Quando foi criado, no governo de Fernando Henrique Cardoso, ele já tinha, é claro, o ar de absurdo, mas pelo menos encerrava uma finalidade nobre, que era o custeio de nossa caótica saúde. A oposição — leia-se Partido dos Trabalhadores — foi frontalmente contra, é bom lembrar.

Só que pouco depois o dinheiro arrecadado teve destinos outros, o que amargurou o criador da contribuição, o ministro da Saúde Dr. Adib Jatene, a ponto de levá-lo a pedir exoneração do cargo.

Mas como nada é para sempre, o líder do PT que hoje é presidente da República ficou possesso com os senadores que votaram pela não-prorrogação da CPMF até 2011. O que Luís Inácio andou falando de besteira seria, para mim, razão para seu impeachment. Presidente da República tem que ter postura de estadista e sobretudo educação. Não tem o direito de chamar de sonegador quem é contra a CPMF. Poderia até ser processado por calúnia por qualquer cidadão.

Para não parecer que é implicância minha, explico por que considero essa contribuição totalmente idiota. Vamos supor que uma pessoa resolva tirar, digamos, R$ 300 da conta bancária para alguma despesa no fim de semana, como uma pequena viagem. Mas nesse meio tempo muda de planos, não vai mais viajar e deposita o dinheiro. Isso é considerado "movimentação financeira" e essa pessoa ficou privada de R$ 1,14. Privada não, foi roubada. E outra idiotice é quem faz seus pagamentos só em espécie jamais "contribuir". Bandido e traficante não pagam CPMF.

Com o fim da CPMF, o Brasil dá um importante passo rumo à modernização e diminui o famoso e triste "custo Brasil", para júbilo de quem honra o termo cidadão brasileiro. Desculpe o leitor por falar de assunto fora de tópico, mas este é importante demais para eu deixar de comentá-lo. Fora que atinge tudo o que se relaciona ao automóvel.

Outro fato que considero auspicioso neste ano foi o Contran finalmente ter resolvido atacar firme os que insistem em se esconder ao volante e deixar de ter a essencial visibilidade para dirigir. As resoluções 253 e 254, de 21 de novembro, tratam do assunto. Não que fosse permitido escurecer os vidros livremente, mas o fato é que até então não era possível fiscalizar por falta de equipamento apropriado.

Em 2008 deverá começar a fiscalização para valer. Mas como já ocorreu com a questão dos engates, regulamentados pelo Contran no ano passado e que levou praticamente ao fim do negócio de fabricar e instalar "bolotas" na traseira dos carros, já se começam a ver mais motoristas e passageiros dentro dos automóveis. O declínio da aplicação de película abaixo dos limites já começou.

Na estrada
Mas vamos ao que eu gostaria realmente de dizer hoje. É época de pegar a estrada e não preciso falar dos riscos que os grandes êxodos trazem. Risco que pode ser enormemente diminuído tomando-se alguns cuidados básicos e fáceis:

– todo mundo de cinto atado;
– tenha certeza de que o carro está técnica e legalmente apto para trafegar;
– controle permanentemente o tráfego à retaguarda, inclusive nas praças de pedágio;
– dê passagem quando solicitado e deixe faixa à esquerda livre sempre que possível;
– respeite a carga máxima do veículo;
– mantenha distância do carro da frente, 2 segundos com piso seco e 3 segundos no molhado;
– procure antecipar tráfego parado à frente e acenda o pisca-alerta imediatamente, ainda com o carro em movimento e freando, para avisar os carros que vêm atrás;
– calibre os pneus, antes de viajar, com pressão indicada para o carregamento do veículo;
– evite usar pneus com menos de meia-vida (menos de 4 mm de profundidade de sulco) para reduzir a chance de aquaplanagem;
– refreie-se de fazer disputas de qualquer natureza na estrada;
– tão importante quanto observar o limite de velocidade é manter-se junto com a corrente de tráfego;
– com chuva durante o dia, ligue o farol baixo;
– não use o acostamento se o tráfego parar — essa faixa é para socorro;
– jamais use o acostamento como ponto de encontro e, em caso de problema mecânico, peça aos passageiros para se afastarem o mais possível do veículo;
– não dirija cansado, mesmo de dia; se tiver sono, pare num posto e descanse;
– se ainda não tiver o Sem Parar/Via Fácil, contrate o serviço, que é vendido nas estradas;
– todo cuidado é pouco nas ultrapassagens em rodovias de mão dupla;
– respeite a faixa amarela contínua por mais paciência que isso requeira;
– bebida alcoólica e volante não combinam, especialmente nas maiores velocidades de estrada;
– acima de tudo, use seu bom senso.

E nos veremos de novo na sexta-feira 4 de janeiro, pois a redação do Best Cars dará uma breve parada de fim de ano, como vem sendo feito desde o começo.

Que o leitor e sua família tenha um Natal esplendoroso e que a passagem para o Ano Novo seja o prenúncio de muitas realizações e, sobretudo, de saúde e felicidade completa.

Colunas - Página principal - Escreva-nos - Envie por e-mail

Foto: Arnaldo Keller - Data de publicação: 22/12/07

© Copyright - Best Cars Web Site - Todos os direitos reservados