Best Cars Web Site

Mulheres motorizadas

Na novela de Manoel Carlos só se encontram três carros
nacionais: Fiat Stilo, Nissan Frontier e Peugeot 206

por Luís Perez - Fotos: TV Globo/divulgação

Uma bala perdida no Leblon, bairro nobre da zona sul do Rio. E estava formada a polêmica.

Resisti um pouco a escrever esta coluna, (des)encorajado pelo editor do site, segundo o qual seu público-alvo não é exatamente o mesmo que assiste à novela das oito (que na verdade começa às nove; inclusive deixe-me escrever rápido, pois não posso perder o capítulo de hoje), Mulheres Apaixonadas. Mas, como a trama de Manoel Carlos é comentada até por piloteiros (profissionais que conduzem barcos de pesca no interior de Mato Grosso do Sul), no meio do rio Paraguai, resolvi ir em frente.

 

 

Personagens Fernanda (Vanessa Gerbelli) e Téo
(Tony Ramos) caídos no chão após serem atingidos

 

Como eu ia dizendo, foi só a personagem Fernanda (interpretada por Vanessa Gerbelli) ser baleada junto a um Stilo (com direito até a adesivo "Carro do Ano 2003" no vidro traseiro) para ser criada a celeuma. Na cena que foi ao ar, mal dava para ver o carro. Acontece que a gravação, que envolveu cerca de 500 técnicos e figurantes, reuniu boa parte da imprensa. E Fernanda, ao ser baleada, caía apoiada sobre um desses médios da Fiat (quem tem um, na novela, é a médica Luciana, personagem de Camila Pitanga; ela vive abrindo o teto solar e passeando ao lado do namorado, Cesar, de quem falo mais adiante). O aparecimento do Stilo no tiroteio motivou até nota da Fiat. Em linhas gerais, dizia que o enredo procura incorporar elementos do cotidiano.

 

Daí nasceu a idéia da coluna desta semana. Modelos pequenos mal aparecem, sobretudo porque quase nenhum dos personagens que têm automóvel – geralmente os que pertencem ao núcleo mais abastado – possui carros como Gol, Palio ou Mille, Celta ou Corsa, Fiesta ou Clio. Dos que aparecem, o que mais se aproxima (será que alguém notou?) é o Peugeot 206 (um exemplar azul), que pertence a Rafaela (Paula Picarelli), que forma com Clara (Aline Morais) o tão falado casal gay. Aliás, embora o 206 seja fabricado no Brasil, ninguém notou que pelo menos alguma coisa a mãe de Clara tem em comum com Rafaela, o gosto por veículos franceses. A inconformada Margareth sempre aparece a bordo de um Citroën Xsara verde.

 

No mais, as peruas são representadas pelo que se convencionou a chamar de “carrão”. Téo (Tony Ramos), por exemplo, foi baleado a bordo de sua Volvo V70. O modelo do músico rico e famoso custa R$ 156 mil. No entanto, ele foi presa fácil dos tiros desferidos por assaltantes em fuga. O modelo deveria ser blindado – assim como muitos carros desse tipo o são. Mas perderia a graça, pois não provocaria o drama dos últimos dias. Sua ex-mulher Helena (Christiane Torloni) sempre aparece a bordo de uma Audi A4 Avant, que custa R$ 161,8 mil. Tudo bem, ela é diretora da Escola Ribeiro Alves, deve ter um salário considerável. Continua


 

Roda e avisa
Vou ao festival - Cinco modelos da Mercedes-Benz (três Classe A, um Classe E e um CLK) serão expostos na Villa de Caras, no 31º. Festival de Gramado (RS), um dos mais importantes eventos cinematográficos do mundo, que vai até sábado, dia 23.

Não vou à festa - Nos últimos cinco anos, a tradicional festa do peão de Barretos sempre contou com a participação de fabricantes – do rancho Dakota (que era fabricado pela Chrysler no Paraná) à General Motors. A festa, cuja 48a. edição vai de 21 a 31/8, foi "esquecida" pela indústria automobilística.

Dez mil - Esse é o número de veículos utilitários que a aliança Renault-Nissan comemora ter alcançado na última semana. São produzidos na unidade, que fica em São José dos Pinhais, PR, o Renault Master (furgão), o picape Nissan Frontier e o utilitário esporte Xterra, também da marca Nissan.

Colunas - Página principal - e-mail

Data de publicação: 19/8/03