Best Cars Web Site
Carros do Passado

Em 1999 era apresentado o picape de cabine dupla e quatro portas, para disputar mercado com o Land Rover Defender 130 em aplicações como empresas de eletricidade e telefonia, que precisam chegar a locais de difícil acesso. Nesses serviços o nome Toyota era sinônimo de utilitário, assim como ocorrera com Jeep (jipe). Mas, apesar de um desempenho fora-de-estrada similar ou até superior, o Bandeirante não era páreo para o Defender em conforto, seja pelo espaço da cabine ou pelas molas helicoidais, adotadas na suspensão do utilitário de origem inglesa.

O jipe BJ50LVB, de entreeixos mais longo. A substituição do motor Mercedes por um Toyota de rotação mais alta foi rejeitada por parte dos compradores

Em outubro a marca de 100.000 unidades produzidas era alcançada, mas o fim do Bandeirante estava próximo. Apesar de mais moderno que os antigos Mercedes-Benz, o motor 14B já não se enquadrava nas normas de emissões de poluentes que entrariam em vigor. No início de 2000 a Toyota iniciava estudos para substituí-lo por um propulsor mais atual, talvez um turbodiesel de menor cilindrada, a exemplo do Land Rover e do JPX. Mas as opções disponíveis se mostravam inviáveis.

Depois de mais de quatro décadas com um importante papel no desenvolvimento do País e sendo sinônimo de robustez a toda prova, a última unidade do Bandeirante -- um jipe curto com capota de aço -- deixava a linha de produção, levando a sério um de seus maiores slogans publicitários: "o Toyota fica e os outros passam", com sua foto ao lado de um ferro-velho, ou "o Toyota passa e os outros ficam", mostrando-o em um atoleiro.

A recente série Sport, mais uma tentativa de cativar o público jovem. Pouco depois o Bandeirante entregava os pontos, vítima das normas de emissões e do desinteresse da marca em mantê-lo

Foram 103.750 unidades produzidas, que sobem para 104.621 se somados os Land Cruisers montados em CKD. Esse indestrutível desbravador de caminhos com certeza deixará saudades, inclusive por representar uma das poucas opções no segmento dos jipes "puros e duros", que a cada ano dão lugar a todo tipo de utilitários-esporte, mais luxuosos e confortáveis, mas inadequados à proposta original de um legítimo 4x4. Continua

Ficha técnica
 OJ 50L - jipe, capota de lona OJ 50L - jipe, capota de lona OJ 50LVB - jipe longo, capota rígida
    1985 1992 1992
MOTOR
Posição e cilindros longitudinal, 4 em linha
Comando e válv. por cilindro no bloco, 2
Diâmetro e curso 97 x 128 mm 102 x 112 mm
Cilindrada 3.784 cm3 3.661 cm3
Taxa de compressão 17:1 18:1
Potência máxima 85 cv a
2.800 rpm
96 cv a
3.400 rpm
Torque máximo 24 m.kgf a
1.800 rpm
24,4 m.kgf a
2.200 rpm
Alimentação bomba injetora e injeção direta
CÂMBIO
Marchas e tração 4, integral 5, integral
FREIOS
Dianteiros e traseiros a tambor a disco / a tambor
SUSPENSÃO
Dianteira e traseira eixo rígido, feixe de molas semi-elíticas
DIREÇÃO
Assistência não hidráulica
RODAS
Pneus 6,50 - 16
DIMENSÕES
Comprimento 3,835 m 3,93 m 4,395 m
Entreeixos 2,285 m 2,755 m
Peso 1.730 kg 1.950 kg
DESEMPENHO
Velocidade máxima 115 km/h ND
Aceleração de 0 a 100 km/h 33 s ND
ND = não disponível

Carros do Passado - Página principal - e-mail

© Copyright - Best Cars Web Site - Todos os direitos reservados