Beleza interior

Clique para ampliar a imagem

Sem revoluções em estilo, que lembra os outros sedãs da Audi, o A6
de quarta geração traz ganhos em conforto, eficiência e segurança

Texto: Fabrício Samahá - Fotos: divulgação

Clique para ampliar a imagem

Clique para ampliar a imagem

Clique para ampliar a imagem

Clique para ampliar a imagem

Clique para ampliar a imagem

Clique para ampliar a imagem

Como poderia ser a nova geração do Audi A6 (a quarta desde que o modelo 100 assumiu esse nome, em 1994), senão parecida com a anterior, mas com a frente mais ousada que tomou conta dos carros da marca e uma traseira inspirada nas do A4 e do A8?

Pois foi o que Ingolstadt providenciou para esse novo A6, que chega a parecer uma remodelação parcial, tal a semelhança da seção central da carroceria com a do modelo lançado em 2004. A Audi parece ter mesmo decidido que não seria esse o modelo para estrear inovações visuais, preferindo uma evolução sobre o tema conhecido e com toda a identidade de seus demais sedãs. O que se percebe é que as rodas dianteiras estão mais à frente, como já ocorrera no A4, e que os faróis compostos por leds dão um ar futurista ao aspecto frontal.

Esses faróis são a opção de topo entre três disponíveis. A básica usa lâmpadas de xenônio; a intermediária associa os mesmos faróis a um ajuste automático de alcance e abertura do facho, conforme as condições da via e do tráfego, e a uma fila de leds para luz diurna. Com 4,92 metros de comprimento, 1,87 m de largura, 1,46 m de altura e 2,91 m de distância entre eixos, o A6 mantém proporções elegantes e esportivas e usa alumínio em 20% da carroceria. O coeficiente aerodinâmico (Cx) é muito bom, 0,26 na versão básica.

Em vez de ousar na aparência, a Audi investiu na "beleza interior", dotando o novo sedã de classe intermediária
— concorrente de BMW Série 5 e Mercedes-Benz Classe E — de melhorias em conforto, conveniência e segurança.

Uma das novidades é o acesso a serviços do Google por meio do telefone móvel do carro; entre outras funções, o navegador recebe imagens reais de satélite do Google Earth e os passageiros dispõem de conexão à internet sem fio. Os bancos dianteiros podem vir com ventilação e massagem, há um novo padrão de madeira para o acabamento, o motorista tem informações projetadas no para-brisa (head-up display) e um painel sensível ao toque, como o dos computadores portáteis, comanda diversas funções do carro pelo sistema MMI. Não poderia faltar a opção de sistema de áudio Bang & Olufsen, com 15 alto-falantes e 1.300 watts.

As versões iniciais do A6 (mais tarde virão outras, como as esportivas) usam cinco motores, todos com injeção direta. São a gasolina o FSI V6 de 2,8 litros e aspiração natural, com potência de 204 cv e torque de 28,5 m.kgf, e o TFSI V6 de 3,0 litros com compressor, 300 cv e 44,9 m.kgf. O 2,8 conta com sistema AVS, como o Valvetronic da BMW, que substitui a borboleta de aceleração pela variação de curso das válvulas de admissão, o que reduz as perdas por bombeamento e aumenta a eficiência. Com o 3,0-litros, o carro acelera de 0 a 100 em 5,5 segundos e alcança 250 km/h.

A linha turbodiesel compreende as unidades 2,0 com 177 cv e 38,8 m.kgf; 3,0 normal com 204 cv e 40,8 m.kgf; e 3,0 de alto desempenho com 245 cv e 51 m.kgf. Mesmo com potência aumentada, os motores do novo A6 consomem até 19% menos que os equivalentes do modelo antigo. Opção ainda a ser lançada é o A6 Hybrid (na série de três fotos abaixo), que obtém 245 cv pela soma do motor 2,0 de quatro cilindros com turbo (211 cv) a um elétrico de 45 cv e promete consumo médio de 16,1 km/l de gasolina. Com ele é possível atingir 100 km/h só com eletricidade, mas a autonomia nesse modo é muito baixa, 3 km a 60 km/h. Com os motores somados, porém, faz de 0 a 100 em 7,3 s e chega a 238 km/h.

Dentro da tendência de reduzir emissões de gás carbônico pelo aumento da eficiência, a caixa automática Tiptronic sai de cena. No novo A6 há, conforme a versão, a manual de seis marchas, a automatizada S-Tronic com dupla embreagem e a caixa de variação contínua (CVT) Multitronic. Permanece disponível a tração integral permanente Quattro, com diferencial esportivo opcional, e a suspensão usa alumínio em grande parte. A assistência de direção passa a ser elétrica, outra medida pela eficiência.

O controle Drive Select, que altera diversos parâmetros ao gosto do motorista em cinco modos (Conforto, Automático, Dinâmico, Individual e Eficiência), é de série no novo Audi, que oferece ainda opção de três suspensões especiais: a esportiva, a S-Line (parte de um pacote que abrange rodas e elementos visuais, mostrados no carro em cinza mais escuro nas fotos) e a dotada de molas pneumáticas e controle eletrônico de amortecimento.

Enfim, o pacote de segurança abrange controlador de velocidade capaz de manter distância adequada do tráfego à frente, parar o A6 e retomar a velocidade desejada; detector de colisão iminente, que prepara o carro para proteger os ocupantes; monitor de evasão da faixa de rolamento, que intervém na direção para retornar o veículo à trajetória; e sistema de visão noturna com câmera térmica, que chega a identificar se o objeto é um pedestre em vias de cruzar a frente do carro, como no A8.

Clique para ampliar a imagem Clique para ampliar a imagem
Clique para ampliar a imagem Clique para ampliar a imagem Clique para ampliar a imagem
Clique para ampliar a imagem Clique para ampliar a imagem

Página principal - Escreva-nos - Envie por e-mail

Data de publicação: 1/12/10

© Copyright - Best Cars Web Site - Todos os direitos reservados - Política de privacidade