Uma oportuna emancipação

Clique para ampliar a imagem

Enfim independente do Palio, o Grand Siena mostra vários acertos
e algumas falhas de desenho, mas ainda sobressai na categoria

Texto: Edilson Luiz Vicente - Fotos: divulgação

Clique para ampliar a imagem
 
Faróis horizontais estão mais em voga atualmente. Os contornos simples, o tamanho adequado e o bom trabalho interno resultam em boas peças, que ajudam na aparência.
 
A grade é simples demais para a proposta do modelo: só a barra cromada não foi suficiente para enriquecer o visual. Olhando bem, parece que falta alguma coisa.
 
A abertura do para-choque ficou com um desenho moderno e jovial sem parecer esportivo demais: muito bom. Visualmente, entre o farol e a grade se repete o "dente" inferior: é preciso se acostumar um pouco para não ficar incomodado.
 
Essa moldura do farol de neblina é a responsável pelo bom resultado estético do para-choque, simples e criativo.
 
Clique para ampliar a imagem
 
Manter a saia lateral em preto foi uma decisão bem acertada: visualmente ajuda a diminuir a altura do carro.
 
O corte do para-choque segue para a lanterna traseira e forma um gráfico com o vinco da linha de cintura: recurso interessante que valoriza o visual.
 
Mais uma consequência da altura excessiva do carro: essa região do para-choque ficou grande demais e, como é uma superfície “pegadora de luz”, agrava o problema.
 
Mesmo com formas e desenho simples, o para-choque ficou interessante com toda essa região em preto. Visualmente ajuda a diminuir todo o volume.

Não se pode negar a dinâmica do mercado automobilístico. Apesar da longevidade anormal de vários modelos no Brasil e além das tendências de estilo e modismos, há mudanças promovidas por necessidades de mercado e segmentos a serem aproveitados. Exemplos não faltam: os picapes que se tornaram veículos de luxo destinados a passeio, a invasão dos modelos de apelo fora-de-estrada e utilitários esporte, a quase extinção de modelos de duas portas e das peruas.

Em meio a toda essa dinâmica empresarial, motivada pelas importações e por novas marcas se instalando para produzir aqui, modelos vão e vêm — e são reposicionados para atender a certas estratégias, como acontece agora com o assunto de nosso artigo, o Fiat Grand Siena.

Após 14 anos e três atualizações estéticas, o Siena chega enfim a uma nova geração com sua desvinculação do Palio, isto é, com a intenção de que não mais seja visto como um Palio sedã. Sua promoção a uma categoria ligeiramente superior faz o estilo passar a ter um papel muito importante para adequar o visual à proposta.

E o objetivo foi, até certo ponto, alcançado: enquanto o Palio não ostenta um estilo mais rico que o do Uno, carro que é de uma categoria abaixo, o Grand Siena tem a aparência enriquecida ante o Palio, mesmo usando algumas partes em comum. Foi muito positivo a Fiat ter sido obrigada a fazer novas portas traseiras por conta do aumento da distância entre eixos: se tivessem sido usadas as mesmas do Palio, como na geração antiga, toda a estética poderia ter sido comprometida — o que aconteceu com o Peugeot 207 Passion, um de seus concorrentes.

Mesmo que guarde algumas semelhanças na arquitetura com a versão anterior, quando ambos são comparados o Grand Siena mostra o quanto seu estilo evoluiu e se tornou atual. Ele deixa o peso da idade muito evidente no antigo, que continuará a ser produzido enquanto houver demanda.

Clique para ampliar a imagem
 
Frente alta está na moda, mas o excesso desse caso fez com que a região do para-choque tenha ficado grande demais, mesmo que a moldura do farol de neblina ajude a disfarçar um pouco.
 
Semelhança com a arquitetura da geração anterior: a base da coluna continua bem alta, o que não cai muito bem para um sedã.
 
A porta dianteira é a mesma do Palio. A ideia de alinhar esse vinco da porta com o vinco superior do para-choque fez com que os faróis ficassem, visualmente, ainda mais forçados para o alto.
 
Todo o estilo do carro é bem atual, mas a moldura das portas parece antiga na forma e no posicionamento. O certo seria contribuir para enriquecer o estilo do modelo.
Clique para ampliar a imagem
 
A legislação obriga o uso de refletores separados, caso as lanternas estejam acima de determinada altura. Isso melhorou a aparência das lanternas e acrescentou um detalhe que, bem trabalhado, contribui para o visual.
 
Em sedãs grandes, tanto faz a placa de licença na tampa do porta-malas ou no para-choque: é questão de explorar a proposta de desenho. Em compactos como o Grand Siena, fica melhor no para-choque.
 
A transição da superfície que forma o defletor, em direção à parte inferior da tampa do porta-malas, está tão suave na região apontada que parece estar com defeito, em vez de aparentar ser proposital.
 
Como acontece com os faróis, simplicidade dos contornos e bom trabalho das partes internas e lentes.

Atualidades - Página principal - Escreva-nos - Envie por e-mail

Data de publicação: 17/4/12

© Copyright - Best Cars Web Site - Todos os direitos reservados - Política de privacidade